Blogue

artigo de janeiro > why it’s so hard to catch your own typos

31-01-2015 00:00

No mês de Janeiro, o artigo em destaque aborda um problema que nos atormenta, vulgarmente conhecido como "gralha". É difícil produzir um texto isento de gralhas, principalmente quando trabalhamos com pouca margem de tempo e sob a constante pressão dos prazos. Se a revisão for feita logo a seguir a terminar o trabalho, é normal que não se detectem muitas dessas gralhas, porque o nosso olhar ainda está muito viciado no texto.

Este artigo oferece uma interessante explicação para este "flagelo" da nossa profissão, que pode manchar o mais perfeito dos textos!

 

The reason typos get through isn’t because we’re stupid or careless, it’s because what we’re doing is actually very smart... “When you’re writing, you’re trying to convey meaning. It’s a very high level task”...

We can become blind to details because our brain is operating on instinct...

Stafford suggests that if you want to catch your own errors, you should try to make your work as unfamiliar as possible. 

international translation day

30-09-2014 00:00

Aprender uma coisa nova por dia

24-09-2014 00:00

Quando trabalhamos em tradução, este lema está sempre presente, uma vez que é raro o dia em que não se aprende uma coisa nova. 

Muitas das vezes, até se aprende mais do que uma coisa nova. Temos de estar sempre atentos e constantemente a pesquisar.

Essa é uma das maiores vantagens desta profissão. Não há rotinas, não há um dia igual ao outro e estamos sempre a aprender.

tempo para uma pausa

08-09-2014 00:00

encerrado para uma curta, mas merecida pausa

time vs. deadline

31-05-2014 00:00

Nós, tradutores, somos uns eternos insatisfeitos. Se estamos cheios de trabalho, com prazos apertados, só nos apetece ter mais tempo livre. Se temos mais tempo livre (e, principalmente, se o motivo para isso for falta de trabalho), só queremos ter um prazo e, logo, trabalho para entregar. 

Ah, vida difícil!

inspiration

27-05-2014 00:00

O processo de tradução

22-05-2014 00:00

 

Esta imagem é um exemplo perfeito do processo de tradução.

Começamos com o texto que nos é enviado pelo cliente. Idealmente, é um texto claro, bem legível e sem erros. Na prática, nem sempre isso acontece. Em certos casos começa logo por ser um texto confuso (por exemplo, manuais enviados por empresas chinesas num inglês que deixa muito a desejar).

Depois, começamos a traduzir. Fazemos determinadas opções. Destacamos palavras ou expressões quando não estamos muito convencidos que sejam as mais indicadas ou quando não temos a certeza do seu significado. Bloqueamos num termo ou numa frase. Paramos e andamos às voltas. Até que decidimos destacar essa parte também e avançar mais um pouco. Chegamos ao fim da tradução com muitas dúvidas. Voltamos atrás para resolver as questões que ficaram pendentes. Fazemos novas pesquisas. Corrigimos algumas coisas. Decidimos fazer algumas alterações, que implicam correr o texto outra vez e reformular algumas frases. Ainda há termos e expressões destacadas. O prazo está a aproximar-se. Percorremos outra vez o texto à procura das partes destacadas e, finalmente, com a pressão, surgem soluções. Fazemos uma última revisão (se houver tempo).

A versão final, um texto limpinho e organizado,  fica pronta. Idealmente, nos casos em que o texto de partida é confuso, o texto de chegada será mais claro, transmitindo a mensagem de uma forma mais correcta.

Acredito que , muitas das pessoas que têm apenas acesso ao texto final ou que comparam o texto de partida com o texto de chegada sem terem noção de todo o trabalho e questões que se colocam ao traduzir um texto, devem achar que se trata de um processo muito linear, em que basta conhecer os dois idiomas e passar palavra a palavra de um lado para o outro.

Mas a realidade não é essa, para se conseguir uma tradução linear é preciso dar muitas voltas.

"As Aventuras de Um Adolescente Viajante no Tempo"

13-05-2014 00:00

E foi hoje publicada a minha primeira aventura na tradução de um livro:

"As Aventuras de Um Adolescente Viajante no Tempo"

O livro é da autoria de Alex Shaw e só se encontra à venda em versão digital (formato ePub), nestes sites:

Barnes & Noble
iTunes
Kobo

Sinopse:

Morris Kemp era um aluno normal, sem nada a destacar, mas isso está prestes a mudar…

Na Escola Secundária Raoul Mesnier du Ponsard, está na altura dos alunos do décimo ano frequentarem o Estágio de Verão e Morris Kemp não está nada satisfeito. Morris é colocado numa empresa no sector de “Vidros Duplos”, a Peralta & Modesto, durante duas “aborrecidas” semanas, pelo menos, era o que ele sentia antes de começar. Logo no primeiro dia, o seu orientador, Huxley Sragge, leva-o consigo a fazer a ronda por potenciais clientes.  

Esta história sofre uma estranha reviravolta, bastante cómica também, quando a primeira cliente que Morris visita, oferece “gomas mágicas” em vez de dinheiro, afirmando não se tratar de meras gomas, mas sim de “cápsulas para viajar no tempo”.

Pensando tratar-se de uma “grande partida”, Morris trinca uma goma e, subitamente, viaja no tempo até à época de Shakespeare. Antes de regressar ao séc. XXI, terá de arranjar uma solução para ajudar “Williamina” Shakespeare a terminar a sua última peça.

Contudo, as coisas correm mal e ele fica preso no tempo, com malfeitores do passado e do futuro a tentar roubar-lhe as gomas mágicas!

Além de “Williamina” Shakespeare e da Rainha Isabel I de Inglaterra, Morris vai encontrar-se perante o Presidente da Europa (em 2650), Seguranças Alienígenas, um Assassino/Cabeleireiro e toda a Família Real de Atlantis.

Será que Morris vai conseguir regressar a casa? E será que a sua vida voltará a ser a mesma? Lê esta comédia sobre viagens no tempo e descobre as respostas!

tradução, pão e música

28-04-2014 00:00

O que é que estas três coisas terão em comum?

A ligação é revelada no filme italiano "Tradurre". Por trás de todos estes processos podemos encontrar uma certa alquimia, seja ela de palavras, ingredientes ou sons. 

Translators are used to face words, to follow their traces and force them into new spaces. Translators have to master not only a language but also what’s behind it: an entire culture and an idea of the world.

Every language is a sound and the translator is a sort of musician. We find a musical instrument beside every language: conservatory students try to perform the same sheet of music translating the same melody into their own instrument."

Language is also a mixture and the translator is a baker who prepares the bread everyday. In every country we can find different shapes of bread, made by the same ingredients.

Este filme apresenta o testemunho de 10 tradutores literários, acompanhado por diferentes processos de fabrico de pão e melodias de vários instrumentos. Para ver o filme, clicar na imagem (o idioma dominante é o italiano e tem legendas em inglês). 

A título de curiosidade, o instrumento escolhido para representar o som da língua portuguesa foi o violoncelo.

de um dos meus filmes de eleição: "Hilary & Jackie"

Vasco Graça Moura

27-04-2014 00:13

Hoje, ficámos mais pobres, pois partiu um dos nossos grandes tradutores: Vasco Graça Moura. 

Fica a obra e as memórias. 

Destaco algumas palavras de Vasco Graça Moura sobre o seu percurso e esta arte que é traduzir:

 

Não sou um tradutor convencional. Estudei línguas no liceu mas nunca pensei tornar-me tradutor. Senti a necessidade de fazer o contrabando de algumas obras poéticas para a minha língua. Fui como um artista de circo sem rede. Não tinha editor, mas foram todas editadas e bem acolhidas.

"Traduzir é uma luta corpo a corpo com uma língua estrangeira, com a tua língua, contigo próprio. É um forma de te conheceres melhor, testando a tua sensibilidade, conhecimentos e personalidade", disse o autor da tradução portuguesa de 'A Divina Comédia', de Dante, desafio a que se lançou após conseguir traduzir um canto numa só noite.
(Ler mais em: https://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/lazer/cultura/vasco-graca-moura-ser-traduzido-e-fundamental

 

Nota: neste blogue, sempre se escreveu e continuar-se-á a escrever segundo as regras do Antigo Acordo Ortográfico.

<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>