artigo de abril > the perfect likeness

30-04-2015 00:00

No mês de Abril, partilho o artigo de um dos tradutores cuja postura perante a nossa profissão mais admiro, Andrew Morris.

Nele, o autor sugere que devemos ir traçando o nosso caminho de forma a esculpir o nosso trabalho à nossa imagem. Este artigo adequa-se especialmente a este mês, em que novos desafios surgiram e novas janelas se abriram, mostrando que é este o caminho a seguir em direcção ao nicho de tradução em que me quero especializar. Para isso, é necessário tomar decisões e deixar de lado as opções mais afastadas desse nicho. Obriga a uma nova reorganização, a redefinir prioridades e a ter de aprender a dizer "não". Mas é muito bom ter a possibilidade de escolher o que queremos realmente fazer e trabalhar por puro prazer.

 

Each of us has a unique contribution to make to the world of translation. But only if we first reflect on who we are and what inspires us, and honour that...

Pick up a finer chisel as you hone in closer on the form you want. Decide on history, for example, but perhaps not the history of science. Embrace the fine arts museums but subtly chip away the industrial museums...

Whittle away until you are left with the ideal clients, whether agencies or direct, with whom you find it easy and a joy to work...

What should emerge is a working life that resembles you and your deepest motivations in every way – a perfect likeness of you.