the chair

07-09-2015 00:00

Quando se pensa num trabalhador independente, é frequente pensar que tem toda a liberdade para gerir o seu trabalho e pode trabalhar a partir de qualquer lugar.

Em termos teóricos, até é um pouco assim. Um tradutor independente, desde que tenha um portátil e acesso à internet pode trabalhar onde quer e no horário que mais lhe convém.

Na prática, o nosso horário é definido pelos prazos. Muitas vezes, esses prazos são muito curtos e não podemos dar-nos ao luxo de escolher o horário, temos de aproveitar todos os segundos até à hora limite de enviar o trabalho e tudo o resto fica em segundo plano. 

Em relação ao local onde trabalhamos, é verdade que podemos pegar no nosso computador e ir trabalhar para um café, um jardim ou outro local que nos agrade. No entanto, no dia-a-dia, sabe bem ter um pouso certo.
Por vezes, tenho de me deslocar e levo o computador atrás para não ter de desmarcar ou recusar trabalhos. Nessas ocasiões, vou trabalhando onde calha, em cafés, na casa de familiares e amigos ou mesmo no autocarro. Mas o trabalho não rende da mesma forma que em nossa casa, no nosso espaço. Passado algum tempo, começamos a sentir o desconforto das cadeiras alheias e a desejar regressar ao nosso trono.

Este já está na minha wishlist para o futuro escritório: